sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Enjoy yourself.


O ir e vir, o pensar e meditar, o ato de se encontrar e ao mesmo tempo se desencontrar torna o embalo da vida agitado, por vezes descompassado.  É nessa montanha russa de reflexões que o eu interior, aquele eu superior, se mostra, se abre, se permite respirar. Nesse encontro completamente pessoal e intransferível que o amor próprio se dá. Nas horas que a contemplação da simplicidade se torna complexa e cheia de minúcias. Quando o questionamento cessa e a paz impera, o amor aflora. A felicidade transborda pelo fato de simplesmente existir um "eu" descoberto de camadas...

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

O Quereres



Onde queres revólver, sou coqueiro
Onde queres dinheiro, sou paixão
Onde queres descanso, sou desejo
E onde sou só desejo, queres não
E onde não queres nada, nada falta
E onde voas bem alta, eu sou o chão
E onde pisas o chão, minha alma salta
E ganha liberdade na amplidão.


(...)


Faz-me querer-te bem, querer-te mal
Bem a ti, mal ao quereres assim
Infinitivamente pessoal
E querendo querer-te sem ter fim
E, querendo-te, aprender o total
Do querer que há e do que não há em mim.



Caetano <3

sábado, 2 de agosto de 2014

Um dia você entende que o tempo não é um erro. O tempo é o nosso maior mestre. O tempo nos mostra quem deve ficar e o que pode ir embora. O tempo nos mostra que tipo de amor é eterno. E o eterno pra mim, é o que fica depois das brigas, depois das duvidas, depois do orgulho, depois da solidão. Com amor, o sorriso volta, mesmo depois de muitas lagrimas. Com amor o futuro não assusta. Com amor a gente se desdobra pra não se dividir. Com amor o perdão é sincero, com amor é fácil ter fé. Se o amor fica depois de tudo, jamais deixo-o ir embora.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

... and let die


                        



Definitivamente a vida nos reserva surpresas a cada dia, ela se transforma num piscar de olhos. O olhar atento capta detalhes, que podem parecer insignificantes, mas somados, promovem mudanças substanciais. Por isso, viva intensamente! Aproveite cada oportunidade e entenda como a chance para um novo desafio. Encare. Invente. Reinvente. Sem nunca perder a essência,sem esquecer quem unicamente você é!

sábado, 5 de abril de 2014

          Nada acontece por acaso. Nenhum passo dessa nossa louca vida é dado sem a permissão divina nos dando uma nova chance de fazer o bem na vida de outro. 

Hoje conheci uma senhora, que sobretudo me ensinou a dar valor a família, a um grande amor e às pessoas que estão ao nosso redor sempre dispostas a nos dedicar todo e qualquer modesto e bom sentimento.

Aí é que esta o segredo da vida: um dia a gente aprende com o mais velho, noutro dia o mais velho se surpreende com algo de bom que possamos acrescentar à sua vida. Toda essa historia de que devemos ser exemplo pra mostrar ao próximo como se deve agir é mero teorismo. A gente aprende mesmo é com quem sabe nada. Com quem não tem "literatura" pra falar, com quem passou todos os dias da sua vida numa situação monótona e deleitosa.

E que a gente nunca desperdice a oportunidade de aprender. Crescer, valorizar,apender e , sobretudo, derramar sobre todos os que estão a nossa volta a incrível sensação o saber o não saber.


Maktub!

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Pra ler todos os dias!

"Quando afinal, tudo estava certo, no lugar exato, se encaixando, tudo mudou.
Outra vez.
A história era bem aquela, as coisas não eram bem assim, o caminho não é mais aquele, a pessoa não era tão legal, o namoro acabou, o casamento gorou, o emprego dançou.
De repente, o susto de novo, a falta de chão.
Tudo que era deixa de ser. Muda o panorama, o horizonte, a perspectiva, a vida. Canseira, preguiça, raiva.
Quando chegará a minha vez?
Nunca.
Pelo menos não desse jeito que a gente fantasia "a nossa vez". Não existe um momento estático em que tudo fica em um determinado jeito ruim, nem um determinado jeito bom.
O bom e o ruim passam.
Só há uma coisa segura, certa e imutável na vida: nada é seguro, certo e imutável.
Por isso, não adianta ficar esperando a vez chegar.
A vez já chegou, está sendo agora, o melhor a fazer é aproveitar a mudança para ver, refletir, mudar o ponto de observação, considerar o mundo sob uma outra ótica, outra lógica, outros meios de conhecimento.
Não adianta olhar pra trás e curtir aquela dorzinha funda, por trás da mudança: infelicidade de agora lembrando da felicidade de ontem.
Mais construtivo é viver com a mudança. Algumas reflexões que passam pela minha cabeça, quando me vejo na situação de enfrentar a mudança.
Não é bom controlar o mundo lá fora, segurar, prender, forçar para que as coisas se encaixem em um jogo de quebra-cabeça criado pela nossa imaginação.
Controlar o de fora é impossível. Quebra!
O negócio não é esperar que o mundo se adapte a nós.
Nós temos que mudar para estar em harmonia com a nova situação lá fora.
Ter flexibilidade.
Jogo de cintura.
Ser leve.
Retirar peso.
Flutuar como pluma, dançar com o vento, sem resistência, sem oposição.
Pensar que a mudança por pior que seja, sempre traz com ela um certo alívio.
Passado um período difícil de transição, cheio de incerteza e confusão, vem o prazer da descoberta do novo, o novo lugar, o novo ambiente, a nova alegria e a esperança da reconstrução.
O movimento cai, levanta, constrói; cai, levanta, constrói, de novo e de novo enrijece o músculo, aumenta a elasticidade, a força, o jogo de cintura, a capacidade de viver melhor a vida.
Sobretudo não ter medo de perder. Com medo de perder, não se arrisca. Com medo de morrer não se vive.
Lembrar que na praia, cada onda que cresce e se desenvolve deve à sua beleza, ao desmanchar da onda que a procedeu. E considerar as perdas como batalhas, não como a grande guerra.
Enfrentar o momento da partida, mesmo quando não se tem um lugar certo para ir.
Abrir para o desconhecido, deixar o desconhecido entrar e atrapalhar.
Olhar a mudança como o natural e não a exceção.
A surpresa, a coisa ruim.
Viver é um processo.
Mudança é vida.
Só não muda quem está morto.
E nós estamos "vivinhos da Silva".   

Fatima Ali

Quem sou eu

Minha foto
Eu sou a poesia que se perdeu no vento.